Anjos tem asas, mas as vezes caem…

Hoje gostaria de compartilhar com vocês a respeito de um incidente o qual me envolvi, há alguns dias. Sem grandes detalhes, um carro acabou me atingindo quando voltava pra casa de um pedal.

Estava de capacete, campainha, iluminação na bike. Enfim, todos os itens de segurança aconselhados.  Sou extremamente cuidadosa, pois nunca desço uma ladeira em alta velocidade, respeito os semáforos como um veículo normal, respeito faixa de segurança e neste caso estava na ciclovia quando fui atravessar a rua.

Então faltou o que? Como estava a duas quadras de casa, posso dizer que a gente sempre tem a tendência a “relaxar” um pouco na atenção. Eu olhei para a motorista que estava parada no cruzamento e ela também me viu. Aguardei o outro carro que vinha parar e fui em frente. Mas quando avancei, ela estava olhando para o lado oposto e avançou sem olhar pra frente. Não fez por mal ou imprudência, mas por distração.

Lessons learned = sempre, sempre, sempre, sempre mantenha o contato visual com os motoristas antes de atravessar cruzamentos!!

Lessons learned 1= evite andar de sapatilha com clipe dentro da cidade. Felizmente eu não estava clipada, pois pelo impacto, se estivesse teria amputado meu pé. Como estava com o pé livre foi “somente” uma fratura exposta, com pé virado para trás parecendo um Curupira..;-) e um osso horroroso à mostra.

e Lessons learned 2 = além da dor, cirurgia, implicações com o trabalho… fica a pior parte para nós ciclistas: 2 meses sem colocar o pé no chão e 4 meses sem pensar em pedalar.

Já participei do Audax 200km e no dia desta prova, dividi o percurso em 4 trechos de 25km, para ficar mais fácil de absorver o cansaço e organizar o cérebro para as etapas que faltavam. Melhor pensar que faltam 2 ou 3 trechos de 25km/cada do que pensar que faltam 100 ou 150km.

Este será meu Audax 200km particular… cada 25km representa 1 mês de afastamento. Será muito mais lento, mas é a forma que arranjei para me motivar a superar esta fase. Obviamente não vou deixar de pedalar, pois amo a sensação de liberdade que a bike proporciona. Esta experiência compartilhada serve para que nossas antenas estejam sempre ligadas… na descida, subida, em grupo, sozinhos, campo, cidade..enfim… Cuidar é preciso pois pedalar é a coisa mais gostosa do mundo!

Enviado por Sofia, Bike Anjo de Curitiba. Desejamos melhoras!